Vá diretamente para a pesquisa Vá diretamente para a lista de A a Z Vá diretamente para a navegação Vá diretamente para as opções de página Vá diretamente para o conteúdo do site

Zika e animais

Este site é atualizado com frequência, no entanto, alguns conteúdos podem ser exibidos em inglês até que sejam traduzidos.

O que sabemos

mosquito Aedes aegypti fêmea alimentando-se do sangue de seu hospedeiro humano

O zika vírus é transmitido para as pessoas principalmente pela picada de um mosquito infectado da espécie Aedes (A. aegypti e A. albopictus). Esses são os mesmos mosquitos que transmitem os vírus da dengue e chikungunya. Até o momento, não há relatos sobre o contágio de outros animais pelo zika, nem sobre a possibilidade de disseminação do vírus a pessoas ou outros animais.

  • Neste momento, não parece haver outros animais além de mosquitos envolvidos na disseminação do zika vírus.
  • Não há evidências de que o zika vírus seja transmitido às pessoas a partir do contato com outros animais além de mosquitos.
  • Não há relatos sobre o contágio de animais de estimação e outras espécies pelo zika vírus. Entretanto, são necessárias mais pesquisas para entender melhor o zika vírus em animais.

Zika em animais

O primeiro relato sobre o zika vírus ocorreu a partir da infecção de um macaco com febre moderada na floresta de Zika, em Uganda, nos anos 1940. Primatas não humanos (macacos e símios) demonstraram estar sujeitos à infecção causada pelo zika vírus, no entanto, apenas alguns macacos e símios acometidos de modo natural ou experimental apresentaram sinais da doença, que se caracterizava por uma febre leve e transitória, sem outros sintomas. Foi reportado um pequeno número de macacos com zika vírus em um estudo realizado em 2016 em uma área do Brasil com altos números de doença em humanos. São necessárias mais pesquisas para entender melhor o potencial de macacos e primatas serem reservatórios para o zika vírus. Atualmente, a prevalência do zika vírus em macacos e outros primatas não humanos é desconhecida.

Há também evidência limitada, a partir de um estudo realizado na Indonésia no final dos anos 1970, revelando que cavalos, vacas, búfalos asiáticos (búfalos d'água), cabras, patos e morcegos poderiam ser infectados com o zika, porém não há evidência de que tenham desenvolvido a doença ou que apresentem risco de transmissão do zika vírus a humanos. Não há relatos sobre o contágio de animais de estimação e outras espécies pelo zika vírus. Mais informações sobre a transmissão do zika vírus podem ser encontradas aqui.

O zika e a microcefalia na gestação animal

Não foram reportadas ocorrências de microcefalia entre populações de macacos e símios em áreas sujeitas à transmissão do zika vírus atual ou anteriormente. Esse tipo de defeito congênito não foi reportado em animais com infecção pelo zika vírus que vivem ou viajam para áreas onde o zika vírus está presente. Entretanto, são necessárias mais pesquisas para entender melhor o zika vírus e a microcefalia na gravidez animal.

golden retriever deitado na grama

Risco para macacos e primatas nos Estados Unidos.

O risco de contágio pelo zika vírus em macacos e símios nos Estados Unidos é baixo. Todos os macacos e símios trazidos aos Estados Unidos são submetidos a um período de quarentena obrigatório de 31 dias ao chegar.

  • Os macacos e símios são mantidos em ambiente interno ou cercas protegidas, onde o risco de contato com o mosquito é baixo.
  • Os macacos ou símios submetidos à quarentena portadores de infecção ativa causada pelo zika vírus não podem transmitir a doença aos outros sem a presença do mosquito.
  • Os macacos e símios produzem anticorpos para combater o zika vírus em até 14 dias após a infecção; após a produção dos anticorpos, a pessoa ou animal não disseminará o vírus. Todos os macacos e símios importados devem estar livres do zika vírus ao final do período de quarentena, portanto não haveria risco de infecção às populações de mosquito locais.

Ingresso de animais de estimação ou outros nos Estados Unidos

Não há permissão para a importação de alguns animais, entre eles, os macacos e símios, como animais de estimação, em nenhuma hipótese. Cada estado e território nos EUA tem normas próprias referentes à posse e à importação de animais de estimação. Essas normas podem diferir das regulamentações federais. Você poderá consultar mais informações sobre a importação de animais aqui.

INÍCIO