Vá diretamente para a pesquisa Vá diretamente para a lista de A a Z Vá diretamente para a navegação Vá diretamente para as opções de página Vá diretamente para o conteúdo do site

O que os pais devem saber sobre o zika

Este site é atualizado com frequência, no entanto, alguns conteúdos podem ser exibidos em inglês até que sejam traduzidos.

O que sabemos sobre o zika

Após o nascimento:

  • Bebês e crianças podem ser infectados pelo zika.
    • A principal maneira pela qual bebês e crianças são infectados pelo zika é por meio das picadas de dois tipos de mosquitos. Informações sobre como prevenir picadas de mosquito com segurança estão disponíveis a seguir ou na página Evite picadas de mosquito do CDC.
    • Até o momento, não foi relatado nenhum caso de zika transmitido por aleitamento materno. Em função dos benefícios do aleitamento materno, recomendamos às mães amamentarem, mesmo em áreas onde o zika vírus é encontrado.
    • Sintomas comuns de zika são febre, erupção cutânea, dor articular e olhos vermelhos. Os sintomas geralmente desaparecem de poucos dias a uma semana. Muitas pessoas infectadas pelo zika não apresentam sintomas.
    • Não existe vacina ou medicamento para zika. Para obter mais informações, consulte tratamento e prevenção.

Durante a gravidez:

  • Defeitos congênitos, entre os quais, a microcefalia e outros problemas foram relatados em bebês nascidos de mulheres infectadas com zika durante a gravidez.
    • O zika vírus pode ser transmitido de uma mulher para seu feto durante a gravidez ou no momento do parto. Estamos estudando como o zika vírus afeta as gestações.
    • Desde maio de 2015, o Brasil teve um grande aumento nos casos de zika. Durante esse surto, as autoridades brasileiras relataram um aumento no número de bebês nascidos com microcefalia, uma condição em que a cabeça do bebê é menor do que o esperado em comparação com bebês do mesmo sexo e idade, em áreas com zika. Recentemente, o CDC concluiu que a infecção pelo zika vírus durante a gravidez é uma causa de microcefalia e de outros defeitos cerebrais graves no feto.
    • Interrupção da gravidez e outros problemas de gravidez foram relatados em mulheres infectadas pelo zika durante a gravidez. O zika foi associado a outros defeitos congênitos, entre eles, problemas relacionados à visão, perda da audição e crescimento comprometido.
    • Alguns bebês infectados por zika antes do nascimento podem não nascer com microcefalia, mas apresentar mais tarde crescimento lento da cabeça e desenvolver microcefalia após o nascimento.
    • Nem todos os bebês de mães que contraíram zika durante a gravidez nascem com problemas de saúde. Pesquisadores estão trabalhando para melhor compreender com que frequência contrair zika durante a gravidez pode causar problemas.
    • A infecção pelo zika vírus mais tarde, incluindo perto da data do parto ou na primeira infância, não foi associada à microcefalia.
  • A microcefalia ocorre por diversos motivos e, muitas vezes, a causa é desconhecida.
    • Condições genéticas, algumas infecções e toxinas podem causar microcefalia. Se sua criança tem microcefalia, o médico ou profissional de saúde investigará a razão subjacente. No entanto, para cerca de metade das crianças com microcefalia, a causa subjacente nunca é descoberta.
    • Se você tem uma criança com microcefalia, é improvável que isso tenha relação com o zika se você não viajou para uma área com zika durante a gravidez.
    • Embora o tamanho da cabeça reflita o tamanho do cérebro, o tamanho da cabeça nem sempre é capaz de prever efeitos de curto ou longo prazo sobre a saúde. Enquanto algumas crianças com microcefalia podem ter convulsões, problemas de visão ou audição e deficiências de desenvolvimento, outras não apresentam problemas de saúde.

O que não sabemos sobre o zika

  • Não sabemos com que frequência o zika vírus pode ser transmitido de uma mulher para seu feto durante a gravidez ou no momento do parto.
  • Não sabemos se o momento da infecção pelo zika vírus durante a gravidez ou a gravidade dos sintomas na mulher afetam a gestação.
  • Não conhecemos os resultados de saúde em longo prazo para bebês e crianças infectados pelo zika vírus.

O que o CDC está fazendo para saber mais

  • Desenvolvendo testes de laboratório para diagnóstico de zika o mais rápido possível.
  • Realizando pesquisas sobre a relação entre zika e microcefalia e outros atrasos de desenvolvimento.
  • Identificando novas áreas com zika e atualizando o registro de gravidez com zika nos EUA diariamente para melhorar nossa compreensão da forma como o zika afeta as mães e seus filhos.
  • Testando diferentes espécies de mosquito para descobrir se são vetores de zika.
  • Fornecendo aconselhamento a viajantes americanos que retornam de áreas com risco de zika; e apoiando estados e territórios americanos já afetados pelo zika.
  • Preparando os estados e os americanos com ações de prevenção antes da temporada de mosquitos.

O que os pais podem fazer

  • Prevenir picadas de mosquitos.
    Para proteger sua criança de picadas de mosquito
    • Vista sua criança com roupas que cubram os braços e as pernas.
    • Cubra o berço, o carrinho e o bebê conforto com mosquiteiro.
    • Use repelente de insetos conforme as instruções.
    • Não use repelente de insetos em bebês com menos de 2 meses de idade.
    • Não use produtos que contenham óleo de eucalipto citriodora ou para-mentano-diol em crianças com menos de 3 anos de idade.
    • Em crianças com mais de 2 meses, não aplique repelente de insetos nas mãos, nos olhos, na boca ou na pele irritada ou rachada da criança.
    • Nunca borrife repelente de insetos diretamente no rosto de uma criança. Em vez disso, borrife o repelente em suas mãos e, depois, aplique com moderação, tomando cuidado para evitar os olhos e a boca.
  • Controlar mosquitos dentro e fora de casa.
  • Se sua criança apresenta sintomas, marque uma consulta com um médico ou profissional de saúde.
    No caso de crianças com sintomas de zika (febre, erupção cutânea, dor articular ou olhos vermelhos) que viveram ou viajaram para uma área com risco de zika, entre em contato com o profissional de saúde de seu filho e descreva para onde você viajou.
    • Febre (≥100,4 °F) em bebês com menos de 2 meses de idade sempre exige a avaliação de um profissional de saúde. Se o seu bebê tem menos de 2 meses de idade e está com febre, ligue para o seu profissional de saúde ou procure atendimento médico.
INÍCIO