Vá diretamente para a pesquisa Vá diretamente para a lista de A a Z Vá diretamente para a navegação Vá diretamente para as opções de página Vá diretamente para o conteúdo do site

Orientação para laboratórios dos EUA que fazem testes de infecção pelo zika vírus
24 de julho de 2017

Este site é atualizado com frequência. Alguns textos podem ser exibidos em inglês até que sejam traduzidos.

Esta página também está disponível em PDF

Visão geral do teste do zika vírus

A orientação atual para laboratórios dos EUA que testam infecção pelo zika vírus recomenda que os testes se limitem a amostras coletadas de pacientes que atendem aos critérios clínicos e epidemiológicos do CDC para testes1. Os sinais e sintomas clínicos associados à infecção pelo zika vírus são discutidos aqui. Informações e orientações atuais sobre o zika estão disponíveis no website do CDC sobre o zika. Informações específicas para laboratórios estão disponíveis.

Informações e orientações atuais específicas sobre o zika vírus em Porto Rico podem ser encontradas no site do Departamento de Saúde de Porto Rico.

Geralmente são necessários vários ensaios e tipos de amostras para estabelecer um diagnóstico laboratorial definitivo de infecção pelo zika vírus devido à natureza temporal de análises biológicas da pessoa infectada. O ácido ribonucleico viral (RNA) é a primeira substância a ser analisada que pode ser detectada em uma pessoa infectada em vários tipos de amostras. Enquanto a resposta imune se desenvolve, concentrações de imunoglobulina M (IgM) aumentam no sangue periférico, e o nível de RNA viral geralmente cai. Contudo, o RNA viral pode ser detectável em algumas pessoas infectadas por períodos mais longos em alguns tipos de amostras. O teste de ácido nucleico (NAT) é mais informativo nas 6 primeiras semanas após o início dos sintomas. A detecção de anticorpos IgM é mais provável nas 12 primeiras semanas após o início de sintomas, mas os anticorpos podem persistir por mais tempo.

A infecção pelo zika vírus pode causar sinais e sintomas similares aos vistos em pacientes com outras infecções virais transmitidas por artrópode (arbovírus), inclusive o vírus da dengue, flavivírus associados e o vírus chikungunya, um alfavírus não associado. Para o diagnóstico diferencial de infecção pelo zika vírus, o teste de outros arbovírus/flavivírus circulando deve ser considerado. Um resultado positivo para um desses vírus não exclui a infecção pelos outros. Coinfecção pelo zika vírus e vírus da dengue ou chikungunya é rara, mas possível, particularmente em áreas onde esses vírus estão circulando conjuntamente.

Soro e urina combinados são as principais amostras de diagnóstico de infecção pelo zika vírus. O uso de outros tipos de amostras como plasma, sangue total, líquido cefalorraquidiano (CSF) e líquido amniótico é autorizado em alguns testes que receberam autorização de uso de emergência (EUA) da Food and Drug Administration (FDA). Para todos os testes de diagnóstico realizados em tipos de amostras que não soro e urina pareadas por pacientes, é necessário obter simultaneamente uma amostra de soro pareada por paciente para testes NAT e/ou IgM (sorologia), se apropriado. Revise as instruções do ensaio para determinar os tipos de amostra aceitáveis para um determinado ensaio. As instruções para uso de ensaios autorizados para uso em diagnóstico sob uma EUA da FDA podem ser encontradas no item "Rótulos" para cada ensaio no website da FDA.

Essa orientação atualizada contém as seguintes recomendações para teste do zika vírus em:

  • Gestantes sintomáticas com possível exposição ao zika vírus. Ver áreas com risco de exposição.
  • Gestantes assintomáticas com possível exposição contínua ao zika vírus
  • Gestantes com possível exposição ao zika vírus que têm um feto com constatações em ultrassom pré-natal consistentes com infecção pelo zika vírus
  • Pessoas não grávidas sintomáticas com possível exposição a áreas com risco de transmissão do zika vírus.

O teste do zika vírus pode ser considerado para:

  • Gestantes assintomáticas com possível exposição recente, porém não contínua, ao zika vírus (por ex., viajantes). Embora não sejam rotineiramente recomendados, os testes podem ser considerados caso a caso e em linha com as recomendações jurisdicionais.

O teste do zika vírus não é recomendado para:

  • Pessoas assintomáticas não grávidas
  • Avaliação antes da concepção.

Os laboratórios devem completar TODOS os testes de amostras, incluindo testes repetidos, antes de reportar os resultados de teste ao profissional de saúde. Decisões clínicas envolvidas no monitoramento do paciente não devem ser tomadas até que o algoritmo de teste adequado seja concluído.

Topo da página

Visão geral de atualizações à orientação para testes

Orientações provisórias atualizadas para profissionais de saúde que prestam atendimento a mulheres grávidas com possível exposição ao zika vírus – Estados Unidos, julho de 2017 podem ser encontradas aqui. A orientação provisória foi atualizada com base nas tendências de queda do número de casos reportadas de infecção pelo zika vírus na região das Américas, evidência emergente de detecção prolongada de anticorpos de Imunoglobulina M (IgM) do zika e novas limitações para interpretar os testes sorológicos durante a gravidez. Embora seja mais provável detectar o IgM nas 12 primeiras semanas após a infecção, novos dados indicam que o IgM do zika vírus pode persistir além de 12 semanas com um subconjunto de indivíduos infectados, limitando a capacidade do teste de determinar se ocorreu uma infecção durante ou antes da gravidez. Os testes de IgM também são suscetíveis a falsos positivos e reatividade cruzada com outros flavivírus, especialmente quando um indivíduo foi vacinado contra ou anteriormente infectado com um flavivírus relacionado. Nos Estados Unidos, à medida que o número de casos reportados de zika vírus continua a cair (inclusive casos associados a viagens), a previsão é de que a proporção de testes positivos que são falso-positivos para zika vírus aumente devido a um valor preditivo positivo baixo. Foram feitas alterações importantes à orientação atualizada para teste de gestantes levando em consideração essas limitações de teste.

Principais atualizações à orientação:

  1. Gestantes sintomáticas com possível exposição ao zika vírus devem ser testadas. Ao testar gestantes sintomáticas, recomendam-se testes NAT e IgM simultâneos assim que possível, no máximo até 12 semanas após o início dos sintomas. A recomendação para o teste NAT do zika vírus foi ampliada de ≤ 2 semanas para ≤ 12 semanas devido a evidência de que o RNA do zika vírus pode persistir no soro de gestantes com infecção pelo zika vírus. O teste NAT é agora recomendado em amostras pareadas de soro E urina coletadas na mesma visita.
  2. Gestantes assintomáticas com possível exposição contínua ao zika vírus devem ser testadas. Recomenda-se fazer o teste NAT três vezes durante a gravidez. O teste IgM de sorologia não é rotineiramente recomendado. Os períodos recomendados para o teste NAT são a consulta inicial de cuidados pré-natal, a que se seguem dois testes NAT adicionais realizados durante a gravidez, coincidindo com consultas pré-natal não consecutivas. O momento de testes NAT adicionais pode ser informado pelas tendências da jurisdição na transmissão do zika vírus, a duração esperada da detecção do ácido nucleico do zika vírus no soro e a duração da exposição durante a gravidez. Embora não seja rotineiramente recomendado, após o aconselhamento pré-teste e a avaliação de risco individualizada, médicos e pacientes, através de um modelo de tomada de decisão compartilhado, podem optar em colaboração pela realização do teste de IgM simultaneamente com o teste NAT. Para as mulheres com um teste NAT positivo durante a gravidez, testes de NAT adicionais não são recomendados. Se um paciente já foi confirmado positivo para infecção pelo zika vírus, não é recomendado nenhum teste de sorologia IgM adicional.
  3. Gestantes assintomáticas com exposição recente, porém não contínua, ao zika vírus (por ex., viajantes) podem ser consideradas para testes. Embora não seja rotineiramente recomendado, o teste pode ser considerado caso a caso, usando-se um modelo compartilhado de tomada de decisão entre médico-paciente e de acordo com as recomendações da jurisdição. Se o teste de mulheres grávidas assintomáticas for realizado, o mesmo algoritmo para gestantes sintomáticas deve ser seguido, usando o período da última exposição possível ao zika vírus.
  4. Gestantes com possível exposição ao zika cujo feto apresente constatações em ultrassom pré-natal compatíveis com infecção congênita pelo zika vírus devem fazer o teste. Os testes de NAT e IgM devem ser realizados no soro e na urina da mãe, seguindo os algoritmos para mulheres grávidas sintomáticas. Se a amniocentese estiver sendo realizada como parte do atendimento clínico, o teste NAT de amostras de amniocentese também deve ser realizado. O teste de tecidos placentários e fetais também pode ser considerado.

A orientação para testes de pessoas não grávidas sintomáticas permanece inalterada com esta orientação provisória atualizada. Avaliação antes da concepção e avaliação de soro de referência não são recomendadas. Atualmente não existem testes com aprovação EUA para avaliação de sêmen para parceiros masculinos que solicitam avaliação.

Informações relativas ao teste de bebês no momento do nascimento podem ser encontradas no website do CDC sobre o zika e também na Orientação provisória para avaliação e monitoramento de bebês com possível infecção congênita pelo zika vírus ou aqui.

Topo da página

Segurança biológica

Para garantir a segurança do laboratório ao trabalhar com o zika vírus, revise a orientação do CDC sobre Transporte e Manuseio de Amostras de Diagnóstico e Trabalho com Zika Vírus no Laboratório. Consulte Biosafety in Microbiological and Biomedical Laboratories (BMBL) para obter mais informações de biossegurança sobre esses arbovírus e para conhecer práticas de biossegurança em laboratório.

Topo da página

Métodos de teste

  • Volume adicional de soro além do que é recomendado nas EUA deve ser obtido caso testes NAT repetidos sejam indicados pelos resultados de teste iniciais.
  • A orientação provisória atualizada recomenda que os testes de sorologia NAT e IgM sejam realizados simultaneamente ao testar gestantes sintomáticas.
  • A orientação provisória atualizada recomenda que o teste NAT seja realizado simultaneamente em amostras de soro E de urina pareada ao testar gestantes sintomáticas.
  • Quando o risco de exposição ao zika vírus for baixo, a incidência de resultados de teste falso-positivos aumenta para os testes de sorologia de NAT e IgM. Além disso, o teste IgM não fornece uma determinação clara do momento da exposição, e um resultado de IgM positivo pode representar resposta recente ou persistente do IgM à infecção pelo zika vírus ou por outro flavivírus.
  • Dada a possibilidade de um resultado falso-positivo, os resultados de testes em laboratório não devem ser divulgados até que todos os testes tenham sido realizados.
  • Recomenda-se não tomar decisões de tratamento médico até que os testes de acordo com o algoritmo adequado tenham sido concluídos.

Teste molecular

O teste de ácido nucleico, ou NAT, é um termo genérico referente a todos os testes moleculares usados para detectar material genômico viral. Apesar da especificidade da análise molecular, resultados de NAT falso-positivos foram reportados em raros casos, e podem depender do tipo de ensaio NAT realizado e da população de pacientes (por ex., prevalência limitada ou ausente de transmissão viral) sendo testados. Esse problema pode ser exacerbado quando o teste do zika vírus é realizado em populações de pacientes não recomendados nos algoritmos de teste do zika. O teste não é recomendado para pessoas não grávidas assintomáticas nem para avaliação antes da concepção para a mulher ou seu(sua) parceiro(a).

Recomendações atualizadas determinam, em algumas circunstâncias, a repetição do teste NAT da mesma amostra começando com uma nova extração. Para reduzir a perda de RNA viral em amostras de urina, a urina só deve ser armazenada a 4 ˚C por ≤ 48 horas, e qualquer indicação de repetição do teste NAT de amostras de urina deve ser realizada dentro desse prazo.

Consulte a Orientação provisória atualizada para profissionais de saúde que prestam atendimento a mulheres grávidas com possível exposição ao zika vírus - Estados Unidos, julho de 2017.

Recomendações atualizadas para teste NAT de gestantes:

Gestantes sintomáticas

Para gestantes sintomáticas com possível exposição ao zika vírus, testes de sorologia NAT e IgM para o zika vírus devem ser realizados simultaneamente (i.e., paralelamente) em amostras coletadas assim que possível, no máximo até 12 semanas após o início de sintomas. Os pacientes devem ser avaliados quanto a outros patógenos (inclusive o vírus da dengue) circulando em áreas para onde viajaram ou onde viveram. Uma possível exposição pode incluir viagens ou residências em áreas com maior risco de infecção pelo zika vírus ou sexo desprotegido com um parceiro que tenha viajado ou resida em áreas com maior risco de exposição ao zika vírus. Ver áreas com risco de exposição.

Geralmente os anticorpos IgM tornam-se detectáveis dentro de uma semana após o início de sintomas, e declinam ao longo do tempo, portanto um resultado de ensaio IgM negativo em uma amostra de soro coletada menos de 2 semanas antes ou mais de 12 semanas após o início de sintomas não exclui a possibilidade de uma infecção recente pelo zika vírus. Um resultado de NAT positivo com um resultado de IgM negativo simultaneamente em uma amostra <14 dias após o início de sintomas ou exposição mais recente pode refletir a coleta de amostras antes do desenvolvimento de anticorpos detectáveis ou, em raros casos, um resultado de ensaio falso-positivo. Apesar da especificidade do NAT, resultados de NAT falso-positivos já foram reportados. Se tanto o soro quanto a urina testarem positivo para o zika vírus, não será necessário repetir o teste NAT (consulte a Tabela 1). Se o NAT for positivo somente no soro ou na urina e o teste de anticorpos IgM for negativo, o NAT deverá ser repetido na amostra original positiva começando com uma nova extração.  Se a quantidade de amostra não for suficiente para o teste NAT repetido ou se o NAT original for positivo e o NAT repetido for negativo, recomenda-se o teste IgM em uma amostra de soro coletada ≥ 2 semanas após a data da extração de amostra mais recente. Para mulheres que tiveram resultado de NAT positivo durante a gravidez, não se recomendam testes NAT adicionais. Se mais de 12 semanas tiverem decorrido desde o início dos sintomas, o teste de sorologia sem NAT poderá ser considerado, mas um resultado de IgM negativo não exclui a possibilidade de infecção recente.

Gestantes assintomáticas

O teste é recomendado para gestantes assintomáticas com possível exposição contínua ao zika vírus. Exposição contínua pode incluir viagens diárias ou residência em áreas com risco de infecção pelo zika vírus ou sexo desprotegido com um(a) parceiro(a) que viaje ou resida em uma área com risco de exposição ao zika vírus. Ver áreas com risco de exposição. O teste NAT para evidência de infecção pelo zika vírus é recomendado três vezes durante a gravidez, mas o teste de sorologia de IgM não é rotineiramente recomendado. O teste NAT é recomendado na visita pré-natal inicial, seguido por dois testes NAT adicionais, cujo momento e frequência ficam a critério do profissional de saúde e dependem do risco de exposição e dos resultados do teste NAT inicial.  Se o teste NAT inicial for positivo, não se recomendam outros testes NAT durante a gravidez. Embora não seja rotineiramente recomendado, após o aconselhamento antes de testes, médicos e pacientes podem decidir realizar o teste IgM simultaneamente com o teste NAT. Não se recomendam testes NAT adicionais para mulheres com resultado NAT positivo durante a gravidez. Se um paciente já foi confirmado positivo para infecção pelo zika vírus, não é recomendado nenhum teste de sorologia IgM adicional. Se tanto o soro quanto a urina testarem positivo para o zika vírus, não será necessário repetir o teste NAT (consulte a Tabela 1).

O teste de gestantes assintomáticas com possível exposição recente ao zika vírus, mas sem exposição contínua (por ex., viajantes) deve ser considerado caso a caso e em linha com as recomendações jurisdicionais. Se o teste for realizado, o algoritmo de teste para gestantes sintomáticas deve ser seguido, com amostras coletadas assim que possível, no máximo 12 semanas após a última exposição possível.

Gestantes com constatações em ultrassom pré-natal compatíveis com infecção congênita pelo zika vírus

Gestantes com possível exposição ao zika vírus que têm um feto com constatações em ultrassom pré-natal consistentes com infecção pelo zika vírus devem ser testadas. Possível exposição pode incluir viagens ou residência em áreas com risco de infecção pelo zika vírus ou relação sexual com um(a) parceiro(a) que tenha viajado ou resida em uma área com risco de exposição ao zika vírus. Ver áreas com risco de exposição. Os testes de NAT e IgM devem ser realizados no soro e na urina da mãe, seguindo os algoritmos para mulheres grávidas sintomáticas. Se a amniocentese estiver sendo realizada como parte do atendimento clínico, o teste NAT de amostras de amniocentese também deve ser realizado. Os dados relativos à utilidade do líquido amniótico no diagnóstico de infecção pelo zika vírus são limitados.

Pessoas não grávidas sintomáticas

O teste NAT de pessoas não grávidas sintomáticas depende do momento da coleta da amostra. O teste NAT para o zika vírus e o vírus da dengue deve ser realizado em amostras coletadas < 14 dias após o início de sintomas (Figura 1). Testes de sorologia IgM do zika vírus e do vírus da dengue devem ser realizados em amostras negativas para NAT coletadas <14 dias após o início dos sintomas ou em amostras coletadas ≥ 14 dias após o início de sintomas, e não se recomenda o teste NAT em amostras coletadas ≥ 14 dias após o início dos sintomas. O teste NAT não é recomendado para pessoas assintomáticas não grávidas.

Informações adicionais sobre o teste molecular

Vários NAT receberam EUA da FDA. A maioria, porém não todos os NAT que receberam EUA da FDA são baseados em rRT-PCR. A FDA mantém em seu site uma lista de todas as EUAs para o zika vírus. Consulte o website da FDA para ver uma lista atualizada de ensaios autorizados e cartas de autorização associadas, fichas técnicas e rótulos de produtos. Outras informações específicas do ensaio (ex.: características de desempenho) estão incluídas nos rótulos do ensaio.

Informações sobre ensaios moleculares que foram autorizados pela FDA para detecção de arbovírus que não o zika vírus podem ser encontradas neste banco de dados pesquisável.

Métodos de detecção de anticorpos

Devido à natureza temporal do RNA do zika vírus no soro e na urina, um NAT negativo não exclui a possibilidade de infecção recente. A detecção sorológica de infecção pelo zika vírus pode ajudar a confirmar exposição ao zika vírus em ambientes onde as pessoas não foram expostas ao zika vírus anteriormente. Anticorpos (IgM) direcionados contra o zika vírus são tipicamente detectados pela primeira vez quando o RNA viral começa a diminuir. O declínio de casos de infecção pelo zika vírus reportados nas Américas em 2017 em comparação com 2016 deve aumentar a proporção de resultados de teste falso-positivos para o zika vírus. Embora seja mais provável detectar o IgM nas 12 primeiras semanas após a infecção, novos dados indicam que o IgM do zika vírus pode persistir além de 12 semanas com um subconjunto de indivíduos infectados, limitando a capacidade do teste de determinar se ocorreu uma infecção durante ou antes da gravidez. Essas limitações são um desafio específico quando o teste do zika vírus é realizado em populações de pacientes não recomendados nos algoritmos de teste do zika. O teste não é recomendado para pessoas não grávidas assintomáticas nem para avaliação antes da concepção. Os algoritmos de teste atualizados recomendam testes sorológicos das seguintes populações de pacientes:

Gestantes

Para mulheres grávidas sintomáticas, o teste de sorologia NAT e  IgM para o zika vírus deve ser realizado simultaneamente (i.e., paralelamente) em amostras coletadas ≤ 12 semanas após o início de sintomas. Os anticorpos IgM diminuem ao longo do tempo. Portanto, um resultado de ensaio IgM negativo não exclui a possibilidade de infecção pelo zika vírus.

Para mulheres grávidas assintomáticas, se o teste for realizado, a mesma recomendação de teste para gestantes sintomáticas deve ser seguida em amostras coletadas ≤ 12 semanas desde a última exposição possível ao zika vírus. O teste de patógenos de arbovírus não é rotineiramente recomendado para gestantes assintomáticas.

Pessoas não grávidas sintomáticas

Para pessoas não grávidas sintomáticas, amostras coletadas de > 14 dias a < 12 semanas após o início dos sintomas devem ser testadas usando IgM antizika e IgM antidengue como ensaio inicial recomendado. O teste IgM não é recomendado para pessoas não grávidas assintomáticas (Figura 1).

Informações adicionais sobre o teste sorológico

Para explicação de uma interpretação específica de ensaios de sorologia IgM do zika vírus, consulte as instruções de uso do ensaio específico realizado. Informações sobre cada ensaio podem ser encontradas no website da FDA, sob o item "Rótulos" do ensaio específico. A Orientação provisória atualizada para profissionais de saúde que prestam atendimento a gestantes com possível exposição ao zika vírus - Estados Unidos, julho de 2017, contém informações específicas que orientam a interpretação geral de resultados combinados de sorologia e PRNT do zika vírus e do vírus da dengue. Essas informações também podem ser encontradas nas Tabelas 1 e 2.

Os ensaios IgM do zika vírus fornecem um resultado supostamente positivo, e a interpretação final depende de outros resultados de testes confirmatórios, como o teste de neutralização por redução de placas (PRNT). Dada a possibilidade de um resultado falso-positivo, provavelmente devido a reatividade cruzada, que foi reportada, recomenda-se que as decisões de tratamento médico não sejam tomadas até que o algoritmo de teste tenha sido concluído. O teste PRNT é recomendado para amostras de soro que produzem resultado de sorologia IgM não negativo. Contudo, o PRNT também pode refletir infecção anterior, e não pode ser usado para determinar o momento da infecção pelo zika vírus. A terminologia para indicar um resultado de sorologia IgM não negativa varia de acordo com o ensaio, e pode incluir resultados positivos, duvidosos, presumidos ou possíveis de zika vírus.

Anticorpos neutralizadores se desenvolvem logo depois dos anticorpos IgM, e provavelmente persistem por muitos anos (22). Com base na experiência com outros flavivírus, uma infecção anterior pelo zika vírus provavelmente confere imunidade prolongada, possivelmente para toda a vida (23). O teste não é rotineiramente recomendado para mulheres grávidas que foram anteriormente diagnosticadas com infecção pelo zika vírus confirmada por NAT ou sorologia (IgM para zika positivo/duvidoso e PRNT para zika ≥ 10 e PRNT para a dengue <10). Contudo, para mulheres grávidas sem diagnóstico definitivo de infecção pelo zika vírus (por ex., gestantes com evidência laboratorial de infecção recente por flavivírus ou evidência laboratorial de infecção suposta por zika ou flavivírus), dadas as limitações dos testes de sorologia (por ex., reatividade cruzada e resultados de teste falso-positivos), as decisões sobre testes durante uma gravidez subsequente devem ser feitas usando um modelo de tomada de decisão compartilhado entre o paciente e o profissional de saúde. Se for tomada a decisão de testar, somente o teste NAT é recomendado, porque o teste de anticorpos IgM pode não ser capaz de determinar o momento da infecção entre gestantes que tiveram exposição ao zika vírus antes da gravidez atual.

Os vírus da dengue e do zika têm apresentações clínicas, ciclos de transmissão e distribuições geográficas similares, e reação cruzada em ensaios sorológicos para esses vírus é comum. O teste IgM para dengue deve ser realizado em qualquer pessoa sintomática com possível exposição à dengue para que possa receber o monitoramento clínico adequado; o teste IgM para o vírus da dengue não é recomendado para mulheres grávidas assintomáticas nem para pessoas não grávidas assintomáticas. Atualmente, para um ensaio IgM autorizado pela FDA, testes de acompanhamento devem ser realizados com um ensaio IgM para dengue autorizado pela FDA quando a interpretação final for "Suspeita de ser positivo para outros flavivírus" devido à inclusão de controle de reação cruzada que inclui um antígeno do vírus da dengue. Para esse mesmo ensaio, testes de acompanhamento devem ser realizados com um ensaio IgM para o vírus do Nilo Ocidental quando a interpretação final for "Suspeita de ser positivo para outros flavivírus", já que o outro componente do controle de reação cruzada é o antígeno do vírus do Nilo Ocidental. Para pessoas que estavam em regiões com atividade endêmica conhecida de flavivírus (por ex., vírus do Nilo Ocidental, vírus da encefalite de São Luís) durante o período de exposição potencial, o teste IgM para essas infecções virais deve ser considerado usando um ensaio autorizado pela FDA, se disponível. Ver mais informações sobre o vírus do Nilo Ocidental. Como as infecções por outros arbovírus, inclusive o vírus chikungunya, também podem produzir sintomas similares aos da infecção pelo zika vírus, testes adicionais para outros arbovírus são geralmente necessários para obter um diagnóstico. Para pessoas com risco de exposição ao vírus chikungunya e uma doença clinicamente compatível2, o teste IgM contra chikungunya também deverá ser realizado.

A FDA mantém em seu site uma lista de todas as EUA para o zika vírus. Consulte o website da FDA para ver uma lista atualizada de ensaios autorizados e cartas de autorização associadas, fichas técnicas e rótulos de produtos. Informações específicas do ensaio (ex.: características de desempenho) estão incluídas nos rótulos de cada ensaio.

Confirmação de resultados de reação de IgM antizika e resultados de reação de IgM antidengue pelo teste de neutralização por redução de placas (PRNT)

Os ensaios de IgM para o zika vírus produzem um resultado supostamente positivo, e a interpretação final do ensaio depende de resultados adicionais de testes confirmatórios, como o PRNT. O PRNT mede os anticorpos neutralizadores específicos do zika vírus e outros flavivírus endêmicos. Atualmente, nos Estados Unidos e na maioria dos territórios dos EUA, quando a sorologia IgM indica a possível presença de anticorpos IgM antizika, o PRNT é necessário para confirmar o diagnóstico. Se o teste ELISA indicar um resultado positivo ou duvidoso de infecção pelo vírus da dengue, testes confirmatórios deverão ser realizados conforme indicado no rótulo do ensaio IgM. O PRNT é realizado no CDC, um laboratório designado pelo CDC (i.e., um laboratório que demonstrou independentemente proficiência para executar o teste PRNT completando um painel de proficiência fornecido pelo CDC) ou por um centro de referência de PRNT de um laboratório de saúde pública (PHL). Os testes confirmatórios podem levar até 4 semanas, e os resultados do PRNT serão reportados pelo laboratório ao qual a amostra original foi enviada.

Dado o alto grau de reatividade cruzada de anticorpos observado em infecções pelo zika vírus e pelo vírus da dengue, os resultados de testes PRNT de zika/dengue devem ser interpretados junto com os resultados do ensaio IgM inicial para avaliar o momento da infecção. O PRNT nem sempre consegue fornecer uma determinação definitiva dos flavivírus específicos que causaram uma infecção recente, particularmente em pessoas com histórico anterior de infecção por flavivírus. Por essa razão, a confirmação do PRNT não é rotineiramente recomendada para pessoas que vivem em áreas com altos níveis de flavivírus em circulação (por ex., dengue).

A  Orientação provisória atualizada para profissionais de saúde que prestam atendimento a mulheres grávidas com possível exposição ao zika vírus - Estados Unidos, julho de 2017 e as Tabelas 1 e 2 abaixo contêm informações específicas que orientam a interpretação geral de resultados combinados de sorologia e PRNT do zika vírus e do vírus da dengue.

Para obter informações adicionais, consulte a orientação do CDC sobre controle clínico de paciente com resultados de ensaio positivos.

Topo da página

Informações detalhadas para tipos de amostras para testes de zika

Características detalhadas de vários tipos de amostra que foram validados para uso com ensaios para diagnóstico do zika vírus podem ser encontradas no website da FDA e no website do CDC sobre o zika. Ensaios individuais autorizados pela FDA contêm informações específicas sobre o manuseio e armazenamento de amostras. É importante observar que todos os algoritmos de diagnóstico para mulheres grávidas são para soro e urina pareados por pacientes, e uma amostra de soro pareada por paciente deve ser enviada junto com todos os outros tipos de amostras para testes de acompanhamento, se necessário. Considere a coleta de um volume adicional, além do que é sugerido nas EUA, para permitir a possível repetição de testes de amostras.

Amostras de tecidos

Atualmente não existem ensaios autorizados pela FDA para teste do zika vírus de amostras de tecido, incluindo tecido fetal e da placenta. Solicitações de teste devem ser coordenada por meio dos departamentos de saúde estaduais ou locais, e é necessária pré-aprovação antes do envio ao CDC. Ver informações adicionais sobre os procedimentos de coleta e envio de amostras.

Outros tipos de amostras

Atualmente não existem ensaios do zika vírus autorizados pela FDA para os quais tenha sido estabelecida execução com outros tipos de amostras, como sêmen e saliva.

Encaminhamento de amostras

Os profissionais de saúde e de laboratórios devem direcionar as solicitações de teste do zika vírus ao laboratório de saúde pública local ou estadual de sua região ou a um laboratório comercial que realize testes do zika vírus usando um ensaio autorizado pela FDA. Os profissionais de saúde e de laboratório devem seguir a orientação do departamento de saúde pública estadual ou local quanto a procedimentos de notificação de casos suspeitos de infecção pelo zika vírus.

Os laboratórios de saúde pública que não realizam testes do zika vírus devem trabalhar com seus departamentos de saúde pública estaduais, locais ou territoriais para testes de amostras suspeitas ou encaminhar as amostras ao CDC.

Ao enviar amostras para teste do zika vírus, indique o status da gravidez e o risco de exposição da paciente para garantir que o algoritmo de teste adequado seja seguido.

Consulte as informações relativas ao envio de amostras ao CDC de locais dentro dos 50 estados dos EUA e o Distrito de Colúmbia .

Para perguntas sobre testes em Porto Rico, ligue para 787-706-2399. Para o envio de amostras, envie um relato de investigação de caso de dengue (DCIR) para cada amostra. O modelo está disponível para download aqui.

Topo da página

Relatório

Decisões clínicas envolvidas no monitoramento do paciente não devem ser tomadas até que os testes adequados, de acordo com o mais recente algoritmo de teste, sejam concluídos. Os testes recomendados podem incluir testes NAT, sorologia e testes PRNT, portanto os profissionais de saúde podem receber vários relatórios de teste de sorologia e NAT de mais de um laboratório de teste antes da conclusão de todos os testes da amostra de um paciente. Além disso, os testes jurisdicionais podem diferir das diretrizes recomendadas pelo CDC. Para obter orientação sobre a interpretação final dos resultados, os profissionais de saúde devem consultar sua jurisdição local.

Os laboratórios devem concluir os testes de amostras, inclusive qualquer repetição de teste indicada, antes de enviar os resultados de teste aos profissionais de saúde. Os resultados de ensaio gerados para cada amostra devem ser reportados aos médicos, conforme especificado nas instruções de uso do ensaio. Os relatórios devem ser redigidos de forma a indicar que as decisões clínicas envolvidas no monitoramento do paciente não devem ser tomadas até que todos os testes sejam concluídos, e devem ser considerados no contexto de todos os resultados de teste e critérios clínicos e epidemiológicos, conforme especificado para o algoritmo de teste adequado à pessoa sendo testada.

Os laboratórios devem incluir as fichas técnicas adequadas em cada resultado de teste autorizado pela FDA ao reportar os resultados aos profissionais de saúde e pacientes. Foram preparadas fichas técnicas para profissionais de saúde e pacientes para ajudá-los a entender os resultados dos testes. Fichas técnicas autorizadas para cada ensaio sob uma EUA são publicadas no website da FDA.

Além disso, os laboratórios devem coletar informações sobre o desempenho de cada um dos ensaios de zika com EUA e reportar à FDA (por e-mail: CDRH-EUA-Reporting@fda.hhs.gov) e ao fabricante do ensaio qualquer ocorrência de resultado falso-positivo ou falso-negativo de que tenham conhecimento.

Observe que as infecções por zika, dengue, Nilo Ocidental e chikungunya estão todas na lista de 2017 de condições que devem ser notificadas em âmbito nacional. Portanto, os resultados dos testes devem ser reportados ao pessoal do departamento de saúde estadual ou local para facilitar a investigação e classificação do caso e envio de relatórios ao CDC.

Documentos de orientação estão disponíveis para ajudar na aplicação dos resultados laboratoriais para tomar decisões de acompanhamento e tratamento de pacientes:

Topo da página

Referências

Oduyebo, T, Polen, K, Walke, H, et al. Updated Interim Guidance for Healthcare Providers Caring for Pregnant Women with Possible Zika Virus Exposure – United States, July 2017.

1O termo "critérios clínicos e/ou epidemiológicos" refere-se a fatores como sintomas, gravidez e risco de exposição. Consulte a orientação clínica do CDC atual.
2Informações clínicas sobre infecção pelo vírus chikungunya, incluindo orientações para avaliação clínica, podem ser encontradas no website do CDC.

Topo da página

Tabela 1. Interpretação de resultados de testes de ácido nucleico e testes de anticorpos para suspeita de infecção pelo zika vírus*,†, §, ¶- Estados Unidos, 2017

NAT do zika (soro)** NAT do zika (urina)** IgM para o zika vírus e o vírus da dengue†† PRNT para o zika vírus PRNT para o vírus da dengue Interpretação e recomendações
Positivo Positivo Qualquer resultado Não indicado Não indicado Infecção aguda pelo zika vírus
Negativo Positivo Positivo Não indicado Não indicado Infecção aguda pelo zika vírus
Negativo Positivo Negativo Não indicado Não indicado Sugere infecção aguda pelo zika vírus
Repetição de teste na amostra de urina original.
Se o resultado do NAT repetido for positivo, interprete como evidência de infecção aguda pelo zika vírus.
Se o resultado do NAT repetido for negativo, repita o teste de anticorpos IgM para o zika vírus em uma amostra de soro coletada ≥ 2 semanas após o início, possível exposição ou a data de coleta da amostra.
Se o resultado do teste de anticorpos IgM for positivo§§, interprete como evidência de infecção aguda pelo zika vírus.
Se o resultado do teste IgM repetido não for positivo, interprete como ausência de evidência de infecção pelo zika vírus.
Positivo Negativo ou não realizado Positivo Não indicado Não indicado Infecção aguda pelo zika vírus
Positivo Negativo ou não realizado Negativo Não indicado Não indicado Sugere infecção aguda pelo zika vírus
Repetição de teste na amostra de soro original.
Se o resultado do NAT repetido for positivo, interprete como evidência de infecção aguda pelo zika vírus.
Se o resultado do NAT repetido for negativo, repita o teste de anticorpos IgM para o zika vírus em uma amostra de soro coletada ≥ 2 semanas após o início, possível exposição ou a data de coleta da amostra.
Se o resultado do teste de anticorpos IgM for positivo§§, interprete como evidência de infecção aguda pelo zika vírus.
Se o resultado do teste de anticorpos IgM repetido não for positivo, interprete como ausência de evidência de infecção pelo zika vírus.
Negativo Negativo ou não realizado Qualquer resultado não negativo¶¶  ≥10  <10 Infecção pelo zika vírus; o momento da infecção não pode ser determinado. Para pessoas sem exposição anterior ao zika vírus, um resultado de IgM positivo representa infecção recente pelo zika vírus.
Negativo Negativo ou não realizado Qualquer resultado não negativo¶¶  <10 Qualquer resultado Nenhuma evidência de infecção pelo zika vírus.
Negativo Negativo ou não realizado Qualquer resultado não negativo¶¶  ≥10  ≥10 Infecção por flavivírus; não é possível identificar o vírus específico; o momento da infecção não pode ser determinado. Para pessoas sem exposição anterior ao zika vírus, um resultado de IgM positivo representa infecção recente por flavivírus não especificado.
Para áreas onde o PRNT não é recomendado
Negativo Negativo ou não realizado Positivo para o zika vírus E negativo para o vírus da dengue Não realizado porque o PRNT não é recomendado Suspeita de infecção pelo zika vírus; o momento da infecção não pode ser determinado. ***
Negativo Negativo ou não realizado Positivo para o zika vírus E negativo para o vírus da dengue  Não realizado porque o PRNT não é recomendado Suspeita de infecção por flavivírus; não é possível identificar o vírus específico; o momento da infecção não pode ser determinado. ***
Negativo Negativo ou não realizado Duvidoso (qualquer um ou ambos os ensaios) Não realizado porque o PRNT não é recomendado Informações insuficientes para interpretação. Considere a repetição do teste.
Negativo Negativo ou não realizado Negativo em ambos os ensaios Não realizado porque o PRNT não é recomendado Nenhuma evidência laboratorial de infecção pelo zika vírus.

Abreviações: IgM = anticorpos imunoglobulina M; NAT= teste de ácido nucleico; PRNT = teste de neutralização por redução de placas.
* A interpretação final dos resultados de testes do zika vírus deve ser feita após a conclusão de todos os testes.
† Resultados de testes de sorologia que indicam infecção recente por flavivírus devem ser interpretados no contexto dos flavivírus atualmente em circulação.
§ O teste de anticorpos IgM para o vírus da dengue é recomendado para gestantes sintomáticas, bem como gestantes que residem em áreas onde a confirmação por PRNT não é recomendada.
¶ Atualmente, a confirmação por PRNT não é rotineiramente recomendada para pessoas que vivem em Porto Rico.
** Soro deve ser enviado para todas as pessoas testadas quanto a infecção pelo zika vírus; amostra de urina para o teste NAT do zika vírus sempre deve ser enviada simultaneamente com uma amostra de soro.
†† Para interpretação laboratorial quando houver resultados de IgM que indiquem a presença de vírus da dengue, consulte a Orientação do CDC sobre dengue para laboratórios.
§§ Resultados positivos incluem "positivo", "suspeita de positivo para o zika vírus", ou "possivelmente positivo para o zika vírus". Esses são exemplos de interpretações de ensaio que podem acompanhar os resultados de testes; a terminologia de sorologia positiva varia de acordo com o ensaio. Para explicação de uma interpretação específica, consulte as instruções de uso do ensaio específico realizado. Consulte informações sobre cada ensaio no website da FDA sob "Rótulos" para o ensaio específico.
¶¶ Resultados não negativos incluem "positivo", "duvidoso", "suspeita de positivo" ou "possivelmente positivo". Esses são exemplos de interpretações de ensaios que podem acompanhar os resultados de testes; a terminologia de sorologia não negativa varia de acordo com o ensaio. Para explicação de uma interpretação específica, consulte as instruções de uso do ensaio específico realizado. Consulte informações sobre cada ensaio no website da FDA sob "Rótulos" para o ensaio específico.
*** O resultado positivo do IgM para o zika vírus é reportado como "suspeita de positivo ou de infecção por flavivírus" para indicar a necessidade de realizar o teste de PRNT confirmatório de concentrações contra o zika vírus, vírus da dengue e outros flavivírus aos quais a pessoa pode ter sido exposta para resolver resultados falso-positivos potenciais que podem ter sido causados por reatividade cruzada ou reatividade não específica. Além disso, resultados de teste ambíguos (por ex., inconclusivos, duvidosos e indeterminados) que não forem resolvidos por novo teste, também devem ter o teste de concentrações PRNT realizado para eliminar resultados falso-positivos. Contudo, a confirmação por PRNT não é rotineiramente recomendada atualmente para pessoas que vivem em Porto Rico.

Topo da página

Tabela  2. Interpretação de resultados de testes de ácido nucleico e de anticorpos em caso de suspeita de infecção pelo zika vírus em pessoas não grávidas*,†, §, ¶, **,†† - Estados Unidos, 2017

Amostra coletada < 14 dias após o início de sintomas

NAT do zika; urina NAT do zika; soro IgM do zika vírus¶ PRNT para o zika vírus PRNT para o vírus da dengue Interpretação
Os resultados de testes em laboratório não devem ser divulgados até que todos os testes tenham sido concluídos.
Positivo Positivo Não indicado Não indicado Infecção aguda pelo zika vírus.
Positivo Negativo Não indicado Não indicado Infecção aguda pelo zika vírus.
Negativo ou não realizado Positivo Não indicado Não indicado Infecção aguda pelo zika vírus.
Negativo ou não realizado Negativo Negativo Não indicado Nenhuma evidência laboratorial de infecção pelo zika vírus.
Amostra coletada < 14 dias após o início de sintomas com NAT negativo ou amostra coletada ≥ 14 dias após o início de sintomas
Negativo ou não realizado Negativo ou não realizado Qualquer resultado não negativo  ≥10  <10 Infecção pelo zika vírus; o momento da infecção não pode ser determinado. Um resultado de IgM e PRNT positivo para zika e um PRNT negativo para dengue provavelmente representa infecção recente pelo zika.
Negativo ou não realizado Negativo ou não realizado Qualquer resultado não negativo <10 Qualquer resultado Nenhuma evidência de infecção pelo zika vírus.
Negativo ou não realizado Negativo ou não realizado Qualquer resultado não negativo  ≥10  ≥10 Infecção por flavivírus; não é possível identificar o vírus específico; o momento preciso da infecção não pode ser determinado.
Negativo ou não realizado Negativo ou não realizado Qualquer resultado não negativo Pendente Suspeita de infecção pelo zika vírus; o momento da infecção não pode ser determinado. Para pacientes sem exposição anterior ao teste, um resultado de IgM positivo representa infecção recente pelo zika.  Contudo, sem o teste PRNT confirmatório, falso-positivos não podem ser descartados.

Abreviações: IgM = anticorpos imunoglobulina M; NAT= teste de ácido nucleico; PRNT = teste de neutralização por redução de placas.
* Resultados de testes de sorologia que indicam infecção recente por flavivírus devem ser interpretados no contexto dos flavivírus atualmente em circulação.
† Exemplos de interpretações de ensaios que são positivos incluem positivo, suspeita de positivo para o zika vírus e possivelmente positivo para o zika vírus. Para explicação de uma interpretação específica, consulte as instruções de uso do ensaio específico realizado. Consulte informações sobre cada ensaio no website da FDA sob "Rótulos" para o ensaio específico.
§ Soro deve ser enviado para todas as pessoas testadas quanto a infecção pelo zika vírus; amostra de urina para teste do zika vírus sempre deve ser enviada com uma amostra de soro pareada.
¶O resultado positivo de IgM do zika vírus é reportado como “suspeita de positivo” para indicar a necessidade de realizar o PRNT confirmatório.
**Atualmente, a confirmação por PRNT não é rotineiramente recomendada para pessoas que vivem em Porto Rico.
††Para resolver resultados falso-positivos que podem ser causados por reatividade cruzada ou reatividade não específica, resultados de IgM do zika vírus com suspeita de positivo devem ser confirmados com concentrações de PRNT contra o zika vírus, vírus da dengue e outros flavivírus aos quais a pessoa pode ter sido exposta. Além disso, resultados de teste ambíguos (por ex., inconclusivos, duvidosos e indeterminados) que não forem resolvidos por novo teste, também devem ter o teste de concentrações PRNT realizado para eliminar resultados falso-positivos.

Topo da página

Figura 1. Recomendações de teste para pessoas não grávidas sintomáticas com exposição ao zika vírus

Recomendações de teste para pessoas não grávidas sintomáticas com exposição ao zika vírus

1O teste NAT não é recomendado para amostras obtidas ≥ 14 dias após o início de sintomas.
2Amostras aceitáveis para o teste NAT incluem soro ou soro e urina pareados por paciente. A repetição do teste NAT de um resultado positivo não é indicada. O teste NAT para o vírus da dengue e chikungunya deve ser realizado para pacientes com risco de exposição e com doença clinicamente compatível.
3Sorologia IgM para dengue também deve ser realizada para pacientes com risco de exposição e com doença clinicamente compatível

A Figura [Recomendações de teste para pessoas não grávidas sintomáticas com exposição ao zika vírus] representa a ordem de testes de amostras para amostras coletadas < 14 dias e ≥ 14 dias após o início de sintomas do zika vírus de pessoas não grávidas. As amostras para teste são soro e urina, e possivelmente plasma, sangue total, líquido cefalorraquidiano (CSF) e líquido amniótico. Inicialmente, amostras de soro ou de soro e urina pareadas por paciente, coletadas < 14 dias após o início de sintomas são testadas pelo teste de reação em cadeia da polimerase via transcriptase reversa em tempo real para o teste de ácido nucleico (NAT) de RNA do zika vírus. Qualquer amostra positiva para o NAT do zika vírus é reportada como infecção aguda pelo zika vírus. Se os resultados forem negativos para o NAT do zika vírus, as amostras de soro devem ser submetidas a testes sorológicos para IgM do zika vírus. Se qualquer ensaio IgM produzir resultados positivos ou duvidosos, os resultados deverão ser confirmados pelo teste de neutralização por redução de placas (PRNT). O NAT do zika vírus não é recomendado para amostras coletadas ≥ 14 dias após o início de sintomas, que devem ser submetidas a testes sorológicos de IgM do zika vírus. Se qualquer ensaio IgM produzir resultados positivos ou duvidosos, os resultados deverão ser confirmados pelo teste de neutralização por redução de placas (PRNT). Observação: atualmente a confirmação por PRNT não é rotineiramente recomendada para Porto Rico. Se todos os testes IgM forem negativos, não serão necessários outros testes.

 


INÍCIO