Vá diretamente para a pesquisa Vá diretamente para a lista de A a Z Vá diretamente para a navegação Vá diretamente para as opções de página Vá diretamente para o conteúdo do site

Cuidados pós-natal

Este site é atualizado com frequência, no entanto, alguns conteúdos podem ser exibidos em inglês até que sejam traduzidos.

A orientação para a avaliação de bebês com exposição congênita ao zika vírus foi publicada anteriormente; bebês que atendem a um ou mais dos critérios publicados para teste da infecção congênita pelo zika vírus devem ser testados e avaliados de acordo com a orientação provisória do CDC atualizada para a avaliação e monitoramento de bebês com possível infecção pelo zika vírus.  No entanto, à luz das recomendações atualizadas que provavelmente reduziriam o teste de rotina do zika vírus de mulheres grávidas assintomáticas com exposição recente ao zika vírus, mas sem exposição contínua, é fundamental que os profissionais de saúde da área de pediatria perguntem sobre possível exposição materna e congênita ao zika vírus em relação a cada recém-nascido.

Os bebês nascidos de mães com possível exposição ao zika vírus durante a gravidez que não foram testadas, incluindo mulheres grávidas assintomáticas com exposição recente ao zika vírus, mas sem exposição contínua, devem realizar um exame físico abrangente, incluindo medição padronizada do perímetro cefálico, triagem auditiva e avaliações de desenvolvimento, como parte do tratamento pediátrico de rotina. Além disso, com base no nível de exposição possível ao zika vírus (por exemplo, duração e tipo de exposição, uso de medidas de proteção regulares, intensidade da transmissão do zika no local da viagem), o fornecedor deve considerar se uma avaliação adicional do recém-nascido é justificada por possível infecção congênita pelo zika vírus.  Se uma avaliação adicional for justificada, um exame de ultrassonografia e avaliação oftalmológica devem ser considerados. Com base nos resultados da avaliação, o teste de amostras do bebê pode ser considerado. Esta orientação também se aplica a bebês nascidos de mães cujos testes deram negativo no caso de exposição que ocorreu mais de 12 semanas antes.

A avaliação patológica de amostras de tecido fetal (por exemplo, placenta e cordão umbilical) é outra ferramenta de diagnóstico importante para estabelecer a presença de infecção materna ou congênita pelo zika vírus e pode fornecer um diagnóstico definitivo da infecção pelo zika vírus em certos cenários, quando defeitos congênitos associados ao vírus estão presentes. Além disso, as constatações da avaliação patológica também podem ser úteis na avaliação de algumas mulheres grávidas que procuram atendimento >12 semanas após o início dos sintomas ou possível exposição. Para obter recomendações adicionais do teste de patologia, consulte a orientação provisória atualizada do CDC.

INÍCIO