Vá diretamente para a pesquisa Vá diretamente para a lista de A a Z Vá diretamente para a navegação Vá diretamente para as opções de página Vá diretamente para o conteúdo do site

Orientação clínica para profissionais de saúde para prevenir a transmissão sexual do zika vírus

Este site é atualizado com frequência, no entanto, alguns conteúdos podem ser exibidos em inglês até que sejam traduzidos.

Sumário

  • O zika pode ser sexualmente transmitido de uma pessoa com zika aos seus parceiros sexuais, mesmo quando não sintomáticos.
  • Gestantes com parceiros sexuais que vivem ou viajaram para uma área com risco de zika devem usar preservativos durante as relações sexuais ou abster-se de sexo durante a gravidez.
  • Todos os outros casais em que um parceiro esteve em uma área com risco de zika também podem reduzir o risco de transmissão sexual usando preservativos ou abstendo-se de sexo.
  • Os profissionais de saúde devem testar as mulheres grávidas com sintomas de zika (por exemplo, febre, erupção cutânea, dor de cabeça, artralgia, conjuntivite e dor muscular) na possibilidade de elas terem sido expostas ao zika por meio da relação sexual sem preservativo com uma pessoa que vive ou viajou para uma área com risco de zika
  • Os profissionais de saúde devem fazer o teste do zika em todos os pacientes que tenham sintomas e notificar possível exposição sexual a um parceiro que vive ou viajou para uma área com risco de zika, mesmo que o parceiro nunca tenha ficado doente.

Perguntas e respostas

Que tipo de atividade sexual coloca a pessoa em risco de contrair o zika se o parceiro estiver infectado?
Uma pessoa com zika pode transmitir o vírus aos seus parceiros por meio do sexo vaginal, anal e, provavelmente, oral. O compartilhamento de brinquedos sexuais também pode colocar uma pessoa em risco. O zika já foi detectado no sêmen, fluidos vaginais, saliva, urina e leite materno. Não há evidência no presente de que o zika possa ser transmitido através da saliva durante beijos profundos.

Existem evidências documentadas de transmissão sexual do zika de homem para mulher, homem para homem e mulher para homem. A transmissão sexual de mulher para mulher ainda não foi relatada, mas é biologicamente plausível.

Infecções de parceiros do mesmo sexo estão sendo identificadas?
Até o momento, houve um caso de transmissão sexual de homem para homem nos Estados Unidos; nenhum dos casos confirmados de transmissão sexual foi de mulher para mulher. No entanto, outras doenças sexualmente transmissíveis podem ser transmitidas entre parceiras sexuais femininas, e não seria inesperado um caso desse tipo ser documentado. Mulheres com zika podem passar o vírus aos parceiros sexuais através de fluidos vaginais ou sangue menstrual.

Recomenda-se o uso de preservativos ou abstinência para proteger parceiros sexuais preocupados com o zika. Os parceiros de pessoas que vivem ou viajaram para áreas com zika devem ser testados se tiveram relações sexuais sem preservativos e desenvolveram sintomas do zika.

As pessoas assintomaticamente infectadas podem ter zika nas secreções genitais e transmiti-lo aos seus parceiros sexuais?
Foi reportada a transmissão sexual de um homem infectado de forma assintomática. O RNA do zika vírus não foi detectado em seu sêmen 31 dias após ele ter deixado uma área com transmissão generalizada do zika vírus. Há pelo menos um caso provável onde o RNA do zika vírus foi detectado no sêmen de um homem infectado de forma assintomática 39 dias após ele ter deixado uma área com transmissão generalizada do zika vírus. As pessoas com doença sintomática transmitiram o zika antes de terem sintomas, enquanto tinham sintomas e após os sintomas desaparecerem. Não sabemos quanto tempo após a infecção homens não podem mais transmitir o zika sexualmente e se a infecção em homens com sintomas da doença difere da infecção em homens assintomáticos com zika.

Há estudos em andamento para nos ajudar a compreender melhor quando e sob quais circunstâncias o zika pode ser transmitido sexualmente. Especificamente, os cientistas estão estudando esperma e secreções vaginais para entender a incidência de excreção viral, as concentrações de vírus, bem como a duração e o padrão (por exemplo, declínio constante, início/término intermitente) da excreção viral nas secreções genitais de pessoas com e sem sintomas.

Quanto tempo depois o zika pode ser transmitido ao parceiro sexual após a infecção inicial?
Nosso conhecimento está crescendo rapidamente, mas ainda não sabemos exatamente por quanto tempo as pessoas infectadas podem transmitir zika sexualmente. Os dados disponíveis são atualmente limitados a casos reportados. Teremos mais informações a partir de estudos que estão em andamento. A detecção do RNA do zika vírus no sêmen tem sido relatada até 188 dias após o início da doença. É importante observar que a presença do RNA do zika vírus não indica necessariamente a presença do vírus infeccioso. Mesmo assim, a evidência atual sugere que o zika vírus capaz de infectar persiste por mais tempo no esperma do que em qualquer outro fluido corporal, incluindo fluidos vaginais, urina e sangue. Portanto, o CDC recomenda que casais esperando um filho usem preservativos ou se abstenham de sexo durante toda a gravidez caso o parceiro da mulher tenha sido possivelmente exposto ao zika vírus. Casais não grávidos com um parceiro que viajou para uma área com risco de zika devem considerar o uso de preservativos ou abster-se de sexo por:

  • Pelo menos 8 semanas após a viagem (na ausência de sintomas) ou se uma parceira desenvolve zika pelo menos 8 semanas após o início da doença (ou diagnóstico)
  • Pelo menos 6 meses após a viagem (na ausência de sintomas) ou se um parceiro do sexo masculino desenvolver zika pelo menos 6 meses após o início da doença (ou diagnóstico).

O período de precaução mais longo recomendado para homens com zika leva em consideração o fato de que a evidência do zika (RNA do zika vírus) pode persistir no esperma de homens infectados depois que eles se recuperam da doença, de que ainda não sabemos quanto tempo demora para o esperma de um homem ficar livre do vírus e de que não temos uma boa evidência de que a doença do zika seja diferente entre homens infectados com sintomas e homens infectados que nunca desenvolveram os sintomas. Estudos em andamento estão analisando sistematicamente a incidência e a duração da excreção do zika vírus nas secreções genitais de pessoas com infecção de zika tanto sintomática e assintomática.

Com que frequência as pessoas transmitem zika aos seus parceiros sexuais?
Não sabemos. O CDC está conduzindo um estudo de homens e mulheres infectados com zika para entender melhor com que frequência diferentes fluidos corporais, inclusive sêmen e fluidos vaginais, podem transmitir zika. Até o momento, a maioria dos casos documentados de infecção sexualmente transmissível de zika tem sido de homens aos seus parceiros sexuais. O número limitado de casos de transmissão sexual de mulheres para os seus parceiros sexuais sugere que ela pode ocorrer, mas é menos frequente do que a transmissão sexual do zika dos homens. Não seria inesperado encontrarmos mais casos de transmissão sexual das mulheres para os seus parceiros sexuais, mas neste momento o CDC prevê que a maioria dos casos comunicados continuem a ser de homens para os seus parceiros sexuais femininos e masculinos. Nenhum dos casos confirmados de transmissão sexual foi de mulher para mulher. No entanto, outras doenças sexualmente transmissíveis podem ser transmitidas entre parceiros sexuais femininos e não seria inesperado um caso desse tipo ser documentado. Mulheres com zika podem passar o vírus aos parceiros sexuais através de fluidos vaginais ou sangue menstrual.

As pessoas que estiveram em áreas com risco de zika devem tomar precauções para evitar a transmissão sexual do zika aos seus parceiros?
Sim, principalmente se a sua parceira estiver grávida. A infecção pelo zika vírus durante a gravidez pode causar microcefalia e outros defeitos cerebrais graves no feto.

Homens e mulheres que vivem ou viajaram para uma área com risco de zika e que têm uma parceira sexual grávida devem usar preservativos toda vez que tiverem relação sexual vaginal, anal ou oral ou abster-se de sexo durante a gravidez. Eles também devem evitar compartilhar brinquedos sexuais durante a gravidez. Isto é importante, mesmo para aqueles que são assintomáticos. A maioria das pessoas infectadas não têm sintomas e é possível que uma pessoa assintomática possa transmitir zika através do sexo.

Homens e mulheres que vivem ou viajaram para uma área com risco de zika e cujas parceiras não estão grávidas também podem usar preservativos de forma consistente e correta para proteção contra infecção ou não ter relações sexuais se estiverem preocupados com a transmissão sexual do zika. O período de tempo recomendado para usar preservativos ou para não ter relações sexuais dependerá do sexo da pessoa e de onde ela vive. Pessoas que estejam considerando utilizar preservativos ou abstinência sexual devem pesar os riscos e benefícios pessoais, incluindo:

  • A probabilidade de que tenham sido infectados com zika dependerá do período de tempo que passaram em áreas com risco de zika e se foram tomadas medidas para prevenir picadas de mosquitos enquanto estiveram nessas áreas
  • O fato de que, para a maioria dos adultos, o zika é uma doença de curta duração que não implica risco de vida e, em geral, os sintomas são moderados
  • Planos de gravidez (se adequado) e acesso a anticoncepcionais
  • Acesso a preservativos (por exemplo, preservativos masculinos e femininos, diques de borracha)
  • Desejo de intimidade, inclusive disposição para usar preservativos ou não ter relações sexuais
  • Capacidade de usar preservativos (como experiência de uso) ou não ter relações sexuais
  • A chance de a parceira engravidar e ser infectada pelo zika (mesmo em caso de gravidez não planejada).

O que devo dizer aos pacientes preocupados com a transmissão do zika pela relação sexual?
Somente pessoas com parceiros sexuais que vivem ou viajaram para uma área com risco de zika correm risco de contrair o vírus pela relação sexual. A transmissão sexual do zika é de maior preocupação para as mulheres grávidas com parceiros que tiveram ou estão em risco de infecção por zika vírus.

  • Gestantes e mulheres que pretendem engravidar devem tomar as precauções necessárias para prevenir a transmissão do zika via relação sexual. Os seus parceiros também devem ser aconselhados a tomar as precauções necessárias para evitar a transmissão de zika sexualmente.
  • Todos os demais pacientes devem ser informados que o risco de contrair o zika via relação sexual pode ser reduzido pelo uso consistente e correto de preservativos, e pode ser eliminado pela abstinência sexual.

Para serem eficazes, os preservativos devem ser utilizados corretamente do início ao fim, em toda relação sexual vaginal, anal e oral.

Quando o teste do zika é recomendado para identificar possíveis casos de transmissão sexual?
O teste do zika vírus foi recomendado para estabelecer um diagnóstico de infecção. O teste do zika vírus é recomendado para pessoas que podem ter sido expostas ao zika pela relação sexual e que apresentem os sintomas de zika vírus. O teste do zika também é recomendado para mulheres grávidas que apresentam sintomas do vírus e com exposição recente ao zika, para mulheres grávidas assintomáticas com exposição contínua ao zika, e para gestantes cujo feto tem defeitos congênitos potencialmente associados ao zika identificados em ultrassonografia.

Neste momento, não recomendamos exames de sangue, urina ou secreções genitais para determinar o risco potencial de transmissão sexual do zika vírus, pelos seguintes motivos:

Primeiro, o exame de sangue ou anticorpos com resultado negativo poderia revelar-se falsamente reconfortante. Isto pode ocorrer quando:

  • O exame de sangue é realizado quando o vírus já não está mais no sangue (detectado por NAT para RNA [teste de ácido nucleico]), mas ainda pode estar presente em outros fluidos corporais (como sêmen).
  • O teste de anticorpos é realizado logo após a infecção, quando os níveis de anticorpos ainda não estão altos o suficiente para detecção, ou muito tempo após a infecção, quando os níveis de anticorpos baixaram a índices não detectáveis.
  • O resultado do teste é falsamente negativo.

Em segundo lugar, temos atualmente conhecimento limitado sobre a excreção do zika vírus nas secreções genitais ou sobre como interpretar os resultados dos testes de sêmen ou fluidos vaginais. As excreções do zika nestas secreções podem ser intermitentes, ou seja, uma pessoa pode testar negativo em um ponto, mas ainda carregar o vírus e excretá-lo novamente no futuro. Há estudos em andamento para melhor compreender o padrão de excreção do zika.

Para mais informações sobre o teste de diagnóstico do zika, consulte Teste de zika.

Qual o papel dos programas de DST/HIV em resposta ao zika?
Os programas de DST e HIV têm expertise na educação do paciente, comunicação e esforços na promoção e distribuição de preservativos que podem ser relevantes para prevenir a transmissão sexual do zika vírus. O CDC estimula programas estaduais e locais a trabalharem com agentes de saúde do estado e associar pacientes portadores de DST/HIV que sofreram exposição sexual ao zika para pronto atendimento ou encaminhamento a profissionais de saúde reprodutiva, que possam prestar orientação e acompanhamento.

INÍCIO